CASA PODEROSA DOS FILHOS DE YEMANJÁ

CASA PODEROSA DOS FILHOS DE YEMANJÁ

domingo, 6 de agosto de 2017

Yemaya



Estávamos todos encantado na presença do mar. 

Apesar de ser temível e perigoso é tipo, uma vez que é a fonte e sustento da vida. 

Água faz veias na terra e se expande gerar vida onde quer que ele vá. Yemaya, senhora e rainha de água do mar, fonte essencial de vida. 

Orisha maior, o princípio mãe Universal. 

Considerada a mãe de todos os orixás. 

Ele também é conhecido como Olokum, yembo e Yemmú. Olokun ou Olocun é a base de Yemaya, o maior de seus caminhos, é o orixá da procriação. 

A Yemayá Iyá Moayé, mãe do mundo, é creditado com a criação de Ile Ife, a cidade sagrada dos iorubás. 

Suas celebrações durar por vários dias. 

O canto harmônico e dança em sua honra são as mais bonitas no panteão ioruba. 

Ele diz que o santo nasceu do mar. 

A terra que sabemos foi transportado em um caracol e caracol criaturas informados sobre as tarefas a serem executadas.

Eles existem em figuras esculpidas em madeira que representam lo como uma bela mulher grávida, cheia de vida com mamas muito grandes África. 

Esta imagem também simboliza a fertilidade que lhe permitiu a ser a mãe dos orixás. Ele também é representada rodeada por seus filhos.

Yemaya é uma bela mulher de estatura média, negro como o carvão, com cabelos encaracolados completamente. mãe admirável, Valente, impondo, bruxa assustador, mas amorosa, humana e acolhedora. Atenta e obsequioso. É como Obatalá. rainha soberana de um bom governo matriarcal.

É abrangente, Inteligente e amorosa com seus filhos, e também é uma avó indulgente quem você permite ochun seu cuidado, Ibeyis, filhos de Chango e Oxum e Oche Adeu filho de Oxum e Orula.


Os patakíes redor Yemayá são muito numerosos. Ela era a esposa de Obatalá ou Obdúa. Em outros avatares mulher aparece como Babalu Aye, Agayu, Orula, e Oggún. Neste último, como um guerreiro é terrível e imaginativa. Boa bruxa, visionário e iluminado. Indomável e rancorosa, mas com terríveis cães (guardiões do mundo escuro e subterrâneo infernal) medo. Como um bom guerreiro como alças de facão Oggun. Yemaya habitual para utilizar sete Sallas e ninguém sabe o que está abaixo deles. É tão forte que é capaz de lutar como um homem próximo a Oggún Arerê ou alado.

Yemaya entretém caça, pesca e jogo. Machete lida com grande habilidade. Ele tem uma personalidade inflexível e sagaz. Suas punições são inflexíveis e severos, e raiva terrível, como o mar revolto.

Apesar de sua severidade é justo. Que se estabeleceram, antes de pronunciar seu nome, você deve tocar o chão como saudação com a ponta dos dedos e beijá-los pegada poeira.

Yemaya é um exemplo de amor filial, vive em água, especialmente no mar. Ochun caro quer e uma vez até salvou sua vida. Ela é a mãe do mundo e este é um dos maiores divindades do panteão ioruba. Ele todas as coisas nascem da terra, a vida é nascer.

É o Orixá da criatividade e da natureza. caracóis do mar nascem e que é por isso que na religião é com seus filhos os verdadeiros caracoleros.

Orixá Yemaya é um muito fundação como a sua natureza ea humanidade é nascido. É suave e nobre com seus filhos, aos quais ele tem muita paciência. Mas quando nada calma irritado quando isso acontece calamidades faz com que a pessoa que ofende.

Yemaya é a Rainha Ocumí, soberano absoluto desta religião e quando ele fala que é como se eu fizesse Obatalá. Seu sinal, representado por do sol e da lua é um símbolo da vida no planeta. A força do sol e do amor, descanso e regeneração representando a Lua, também conhecida como Ochu (NANA Buruku).

A nação patakíes sobre como a vida na terra são abundantes, mas em todos da deles é o protagonista Yemaya, a primeira mãe.


estradas Yemaya

Yemaya Yemmú ou yembo considerado na religião iorubá como Mãe de todos os orixás. É poderoso, sábio , eloquente e pensativo. Seu colar é feito com 21 contas azuis e um caracol entre duas esferas de vidro.

Yemaya Akuara. Ele vive em água doce e salgada. É bailadora, alegre e corretas. Não preparar feitiços, só lida com o cuidado dos doentes e desamparados. Está localizado na foz dos rios para o mar. É o único que salvou a vida de Oxum e protegido até o vencimento. É empena.

Yemaya Okute ou Okuti. Mora em recifes ao largo da costa ou na selva solitário e lugares desolados. Mas também é encontrado no rio, no mar, na lagoa ou na montanha.

Yemaya Achaba. É muito sábio e recatada. Sua palavra é obedecida em todos os momentos, mesmo em Ifa. Ele é o assistente Olofi.

Yemaya Awoyó. Quando necessário costuma usar sete guerra Sallas para lutar por seus filhos.

Yemaya Okoto. Sua morada é o mar profundo perto da costa. Onde conchas, corais e recifes.

Yemaya Lokún Nipa. deusa Stout, impondo, proprietário da força e poder do mar. Com vitalidade lida altas marés.

Yemaya Konlá. Titular da espuma do mar, caminha no surf enrolado num cobertor de limo navegador mar, reside inquietas em hélices e quilhas de barcos.

Yemaya Asesu. Olokun é o mensageiro que purifica a água suja e barrenta em rios poluídos, canos de esgoto e latrinas.

Yemaya Alara Magwa Onoboyé. Ele olha para os güemileres (partidos) para seu grande tamanho, elegância e riqueza e ostentação implantado, a fim de receber elogios e ofertas.

Yemaya Mayalewo. Ele vive na floresta perto de uma mola em torno do pântano. É frutífera e eterna. É uma bruxa e tem relações estreitas com Oggún.

Yemaya Owoyó Aguegué Owoyó Olodé. Esta é uma representação excelente e valioso da incrível criatividade de Olofi que brilha com mais força quando a lua cheia brilha.

lama Ye Yemayá Ile Ye. É uma mãe admirável , mas espera um monte de seus filhos. Quando eles estão visitando e seu partido só aceita ram.

Yemayá Ayaba Ti GBE IBU Omí. Majestade do fundo do mar, mãe do Rei Chango.

Yemaya Owo Sama. Doce, delicado e gentil mãe, dona de água flutuando nas nuvens e orvalho da manhã, proprietário também das calotas polares e águas subaquáticas.

Yemaya Atarah Magba Anibodé Iyá. Alegre. Mistress de água corrente nas cachoeiras e as paisagens solitárias e montanhas.

Yemaya Yalodé Yalodé. Vive no mar com seu séquito de sereias e tritões. soberana Universal. Sem ele, o planeta iria morrer.

As informações extraídas do livro Santeria Yoruba Celia Blanco.




Cuba e Yemaya



Yemaya é a mãe de todas as crianças do planeta e representa o útero em qualquer espécie como uma fonte de vida, fertilidade e maternidade. 

Omo Iya Aiyê. Yemaya é um OSHA e está no grupo de OSHAS cabeçalho . 

Na natureza é simbolizado pelas ondas, assim que seu movimento de dança se assemelha a eles.

Yemaya é o Orixá rio de Ogun que atravessa Oyo e Abeokuta, no território Nupe, em seguida, mudou-se para cobrir território em Abeokuta, Ibadan e Shaki. 

Ela representa a intelectualidade, sabedoria e personagens mudando como o mar. 

Yemaya pune é inflexível, é palpite por excelência, ele roubou o okpele para Orula e este caracóis, então, transferidos (diloggún). 

Ela é proprietária das águas e do mar, fonte de toda a vida. 

Rainha de Abeokuta. 

Seu nome vem de Yorùbá Iemanjá (Yeye: mãe - Omo: filho - Eya: Peixe), literalmente, mãe dos peixes. Ele disse é que somos todos filhos do mesmo, porque para 9 meses nadou como peixe na placenta de nossa mãe. Sempre comer com Xangô , Yemaya exceto Okute comer com Oggun. 

Ele é recebido como orixá tutelar ea Sodo Orixá não receber o seu Omo Oya. Antes de assento que é feito pelo menos 7 dias de antecedência uma cerimônia no mar e 7 Ota são escuro ou preto e recolhidos lá. 

O sincretismo é comparado com o Virgem de Regla (Setembro 7). Seu número 7 e seus múltiplos. Sua cor é azul e suas sombras. Ele Saluda OMIO Yemaya Omoloddé! Yemaya Ataramawa! 


família Yemaya.
Olokun filha, então ele relaciona -lo para o mar, era a esposa do Obbatala , Orunla , Aggayú , Babalu Aye , Orixá Oko e um de seus modos de Oggun . Irmã Oxum . 

Ela é a mãe da maioria dos Orixás e outros levantadas. 


Diloggún em Yemaya. 
diloggún Yemayá fala principalmente de Oddi (7), mas também o faz Irosso (4). 


ferramentas Yemaya. 
terrina Yemaya
Seu receptáculo é uma terrina ou vaso de barro tons de azul ou azulada contendo otá e viver na água do mar. Atributos Yemayá são sete pás 7 Adams (alças), uma roda de coroa, barcos, cavalos-marinhos, peixes, conchas, corais, um sol, a lua cheia, caracóis um lado, sirene, pratos, uma tábua de salvação, um estrela, uma chave, um maraca pintado, ventiladores redondos azuis, um pilão e tudo relacionado a do mar de ferro, prata ou prata. 

Seus Elekes mais tradicionais são feitos por ensanduichando grânulos azuis ou azuis e brancas 7, 1 e 7 ultramarino água azul. 


objetos de poder Yemaya. 
O objeto de poder é um agbegbe Yemaya, ventilador de penas de pato ou pavão decorado com mãe de pérola e conchas. Um objeto feito com pêlos da cauda do cavalo com contas azuis e brancas. Um sino que soa a ser chamado. 


Yemaya convier. 
Yemaya usa um manto de crepe com um vestido azul marinho, que pode ter ornamentos em azul e branco. Carrega pequenos sinos costuradas para isso. Agbegbe leva. Um cinto largo, rhomboid algodão no estômago ao redor de sua cintura. 


Yemaya dança. 
Quando Yemaya baixo, obter grandes risos rindo. Seu corpo se move como as ondas do oceano, em primeiro lugar suavemente, em seguida, agitado pela tempestade. Em seguida, começa a girar como um redemoinho. Você pode imitar seja nadar ou mergulhar no oceano trazendo os tesouros do fundo para seus filhos. Você também pode emular ser remou. Os outros dançarinos fazem um círculo em torno dele fazendo movimentos como ondas que aumentam a velocidade até que eles começam a girar. 


Oferendas para Yemaya. 
Está oferecendo Ochinchin Yemaya feito de camarão, alcaparras, alface, ovos cozidos, tomates e espinafre, ekó (tamale que é envolto em folhas de bananeira), olelé (ervilhas ou feijão frade Liguei massa feita com gengibre, alho e cebola), bananas verdes bolas ou inhame com quiabo, feijão preto, alavancas gofio com melaços de cana, queimado de coco, açúcar mascavado, peixe inteiro, melão água ou melancia, ananás, papaia, uvas, peras água, maçãs, laranjas, xarope de cana, etc. Ele imolado ovelhas, patos, galinhas de Angola, pombas, codornas, gansos. 

Sua ovelha é Itamo real, alface, peregun branco, atiponlá, manjerona, mazorquilla, amora-preta, a água de flor, mangusto, grama indigo, agrião, verbena, malanguilla, Paragüita, prodigioso, samambaia, barata, malanga, Canutillo, manjericão, hortelã , de ouro, carqueja grama menina de dez dias, bejuco caranguejo, Ubi bejuco masculino, videira amargo, beldroegas, jagua, lodo mar, abacate, ameixa, Pichona, Copalillo a montanha, etc. 


coroa Yemaya. Kari-Osha. 
Para coroar este Osha deve ser recebido antes dos guerreiros Orishas. Então, durante a coroação deve receber a seguinte OSHAS e Orishas. 

Eleggua, Obbatalá, Oke, Yemaya, Ibeyis, Xangô, ogue e Oxum.



estradas Yemaya. 
Seus caminhos são:

Yemaya Asesu.
Yemaya Awoyó.
Yemaya Akuará.
Yemaya Okute ou Okuti.
Yemaya Ibu Konla.
Yemaya Ashaba ou Ayaba.
Yemaya Mayaleo ou Mayelewo.
Yemaya yembo ou Yemu.
Yemaya Ibu Okoto.
Yemaya Ibu Oleyo.
Yemaya Ibu Elowo.
Yemaya Akere.
Yemaya Oro.
Yemaya Ataremawa.
Yemaya Ibu Gunle.
Yemaya Ibu Agana.
Yemaya Ibu Akinomi.
Yemaya Ibu INA.
Yemaya Oggún Ayipo.
Yemaya Oggún Asomi.
Yemaya Ibu Node.
Yemaya Yamase.
Yemaya Ibu Alaro.
Yemaya Ibu Yabani.
Yemaya Ibu Tinibu.
Yemaya Lokún Nipa.

características Yemaya Omo.
filhos de Yemaya são teimosos, forte e rigoroso. Às vezes, eles são arrogantes e impetuoso maternal ou paternal, mudando personagem como o mar, momentos de calma e Bravos momentos. Homens são muitas vezes educado e atitudes femininas e deve proteger contra a ser tomadas por homossexuais. Eles gostam de testar as suas amizades, são recienten de infracções e nunca se esqueça, embora perdoar. Eles gostam de luxo e magnificência. Eles são apenas, mas um pouco formal e ter um alto grau de auto - estima. 


Patakíes de Yemaya. 
Yemaya foi casada com Orula , grande adivinho de Ife, que trabalhou milagres e teve uma grande clientela. Até então, Orula estava intimamente ligada à do segredo de caracóis (Diloggun), como Yemaya, amante do mar, peixes, caracóis marinhos e tudo mais, eu me comunicava. Ele, por sua vez, interpretado esses segredos através Oddun e lendas. 

Aconteceu que um dia Orula teve que fazer um longo e tedioso para assistir a uma reunião do Awo que tinha chamado Olofin jornada, e como foi adiada mais de Yemaya imaginado, ele correu para fora de dinheiro, então ele decidiu a aplicar a sua técnica e sabedoria consultar por conta própria que precisava de ajuda. 

Quando alguém veio procurar Orula para consulta, ela disse a ele para não se preocupar e puxou o Diloggun. Como era adivinadora de nascimento, as previsões foram muito bem sucedidos e ebboses salvou muitas pessoas. 

Orula sobre o caminho da sua casa, soube que havia uma cartomante e uma mulher milagrosa na sua aldeia. O curioso como todo ser humano, se disfarçou e se perguntando onde a mulher vivia, chegou à sua própria casa. 

Yemaya, para descobrir, ele disse: 
E você pensou que eu iria morrer de fome? 

Então, ele, enfurecido, tomou antes Olofin, o mais sábio dos sábios, que decidiu que Orúnmilá arquivado na okpele, o Ikin e ATE Ifa e Yemaya dominar o Diloggun. Mas ele alertou que quando Yemaya Orula em sua Oddun, todos Babalawos tendiam a prestar homenagem, tocando sua testa a placa e dizer Ebbo Fi Eboada.


YEMANJÁ E O PODER DOS CARACÓIS (BÚZIOS)



YEMANJÁ estava casada com ORUNMILÁ, grande adivinho da terra Ilé Ifé, que fazia verdadeiros milagres com um grande número de seguidores. 

ORUNMILÁ estava intimamente unido ao segredo dos caracóis, pois YEMANJÁ, dona do mar, peixes, caracóis e tudo que é marinho, assim se comunicava e ele, por sua vez, os interpretava através dos ODÚS e PATAKIS de cada um.

Porém um dia ORUNMILÁ teve que fazer uma viagem grande e tediosa para assistir a uma grande reunião de AWÓS que havia sido convocada por OLÓFIN e como demorou mais do que YEMANJÁ imaginava, esta ficou sem dinheiro e então decidiu aplicar toda sua técnica e sabedoria.

A cada pessoa que vinha buscar ORUNMILÁ para consultar-se, ela dizia que não se preocupasse, e como era adivinha de nascimento, suas previsões tiveram um grande êxito e seus ebós salvaram muita gente.

Quando ORUNMILÁ regressou, ouviu dizer que havia uma mulher em seu povo que adivinhava e fazia verdadeiros milagres. Ele, curioso como todo homem, se disfarçou e perguntando pelo lugar, chegou a sua própria casa.

YEMANJÁ, ao ser descoberta, lhe disse: “Tu realmente crês que eu iria morrer de fome?” Ele furioso, a levou diante OLÓFIN e este, sábio entre os sábios, decidiu que ORUNMILÁ registraria as consultas com o EPKUELÉ (Opelé), os IKINS e o ATE de IFÁ (Tabuleiro) e que YEMANJÁ dominaria os caracóis (búzios). Mas advertiu ORUNMILÁ que quando saísse YEMANJÁ em seu ODÚ, todos os BABALAWÓS teriam que render veneração (MOFORIBALÉ), tocar com a testa o tabuleiro e dizer: “Ebó Fi Eboada”.



Ifá Ni L’Órun




ADI E IMÚ OS FILHOS DE YEMANJÁ



OLÓFIN estava muito bravo por conta das coisas que aconteciam na Terra e retirou seu amparo e proteção aos seres humanos.

As coisas começaram a ficar mal na Terra e todos os ORIXÁS trataram de conquistar a benevolência de OLÓFIN para com os homens, mas todos os sacrifícios e oferendas que faziam, nenhuma delas tinha a virtude de comover OLÓFIN.

YEMANJÁ tinha dois filhos: ADI e IMÚ (os seios de YEMANJÁ) que eram muito queridos por ela e representavam toda sua realização na vida, mas preocupada com o destino que a humanidade, por seu sentimento e instinto natural de MÃE DO MUNDO, ofereceu a OLÓFIN a cabeça de seus filhos em troca de que ele dê-se o perdão aos homens da Terra.

Assim YEMANJÁ ofereceu os seus dois filhos ADI e IMÚ para salvar a humanidade e que voltasse a ter a benevolência e bênção de OLÓFIN.

OLÓFIN comovido por tão profundo gesto maternal, perdoou aos homens da Terra e disse: ADI e IMÚ, és a maior oferenda, a mais bela, a mais desinteressada que já recebi. ADIMÚ será então o que de maior se possa oferecer para mim e para os demais ORIXÁS.

É, por isso que YEMANJÁ é a RAINHA MÃE DO MUNDO e DEUSA da HUMANIDADE UNIVERSAL.

E é, por isso também que qualquer oferenda aos ORIXÁS recebeu o nome de ADIMU.

Maferefun YEMANJÁ Todos os Dias!

Omió Oni YEMANJÁ Ominaréu!

Ashé!

Ifá Ni L’Órun


YEMANJÁ E ERINLÉ SE APAIXONAM



Nesse tempo houve a separação da terra e do mar. 

Nesse momento as ondas começaram a fazer como se fosse engolir a terra. 

O mar, desde então se manteve irritado com a terra. 

Esta é a fúria de YEMANJÁ.

YEMANJÁ estava realmente feliz de estar no fundo do mar. 

Finalmente teve tempo para ela fazer o que ela quisesse fazer, que era a vida em paz, algo que havia se esquecido e agora recuperado com os filhos que executam no reino suas funções.

YEMANJÁ havia amadurecido, seguia sendo linda e sensual, apesar dos anos que haviam passado, ninguém podia competir com sua beleza, nem mesmo OSHÚN.

Numa manhã bem cedo, enquanto nadava no oceano, ela pode ver um movimento que justificava suas atenções. 

ÈRINLÉ 


Era um homem lindo e este homem era ERINLÉ, que estava fazendo sua pesca habitual.

ERINLÉ tinha toda a sua atenção voltada para sua pesca, quando de repente, foi surpreendido por uma bela mulher que lhe despertava o sentimento de amor. Não esperava uma bela aparição, mas ficou gratamente surpreendido por seu coração cheio de amor. Não podia explicar tal sentimento e chegou a pensar que estava sonhando, até que uma voz linda da maravilhosa mulher lhe falou dizendo:

Sou YEMANJÁ, dona desse reino onde você pesca. 

Sou eu que proporciona os peixes que vem em seu anzol.

Todo esse reino que você pode ver é imensamente grande e é meu.

images

YEMANJÁ confessou a ERINLÉ que ela ainda governou sobre o vasto reino dos mares e ali há tempos se encontrava sozinha. Sem duvidar, ERINLÉ se ofereceu para acompanhá-la em seus momentos de solidão.

YEMANJÁ tinha gostado de ERINLÉ e ela explicou que estava buscando um companheiro e ERINLÉ aceitou seu convite sem muito pensar. 

Ele não estava preocupado com riquezas. Ele era devorado pela beleza dela desde o momento em que a viu.

Esta foi a primeira vez que YEMANJÁ permitiu que alguém soubesse seus segredos. YEMANJÁ e ERINLÉ seguiram seu caminho até o fundo do mar.

O belo ERINLÉ sentia como se estivesse em um sonho levado pela beleza de YEMANJÁ e a imensidade de seu reino. Ele nunca havia imaginado que uma beleza como tal existisse no mundo

Chegaram a uma grande caverna, onde muitas espécies de vida marinha guardavam a porta. Este foi até o Ilé de YEMANJÁ (palácio). A medida que o peixe se deu conta de sua presença, se afastou da abertura como em MOFORIBALÉ (reverência) a grande rainha que era sua mãe e criadora.

Todo o mundo a conhecia como ALLE MÓ (mãe dos peixes e da vida marinha).

Ao entrar na caverna, ERINLÉ foi tomado em temor por estar dentro de um grande palácio debaixo do oceano. Ninguém poderia imaginar as riquezas de seu interior.

Haviam tesouros incomensuráveis em todas as partes. As pedras preciosas mostravam tonalidades de azuis e verdes, do mais claro ao mais escuro, fazendo um ambiente ao palácio.

Sem dúvida YEMANJÁ era a mais rica de todos os ORISHÁS e das mais BELAS.

Eles tinham um tórrido romance desde que ERINLÉ viu através dos olhos de YEMANJÁ e aprovou cada uma de suas ações. No entanto, com o passar do tempo, as coisas mudaram. YEMANJÁ começou a ignorar ERINLÉ e assumir o fato.

A situação havia se tornado intolerável para ERINLÉ. 

Ele só queria a atenção de YEMANJÁ, mas ela não quis escutar suas queixas e ERINLÉ ficou incomodado com tudo isso.

YEMANJÁ se viu em um dilema e enquanto isso tentava uma maneira de se livrar de ERINLÉ. Ela não sabia o que fazer exatamente. Ela queria se desfazer de ERINLÉ, mas tinha medo de que ele revelasse seus segredos e mistérios de seu reino, mas ao mesmo tempo não queria matá-lo.

Depois de muito, ela decidiu que ia cortar-lhe a língua. Desta maneira ele seguiria vivendo, mas incapaz de dizer seus segredos a ninguém.

Esta é a razão por que ERINLÉ fala através de YEMANJÁ.

YEMANJÁ, desculpando-se de suas próprias ações, disse para si mesma que ERINLÉ era jovem demais para ela e tudo tinha se tornado muito tedioso para os dois. Depois de cortar-lhe a língua, ela o deixou ir.

Mesmo YEMANJÁ cortando-lhe a língua, ERINLÉ a consagrou como Rainha.

Nesse momento tedioso, nasceram as relações do mundo.


Ifá Ni L’Órun


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

ASESSU A SOBERANA DA CASA DE YEMANJÁ !!!



YEMOJA ASESU 

O nome Asesu significa fonte/nascente de mananciais. 

Em seu culto original ela não é ligada ao mar e sim as nascentes dos rios. 

Vou contar um pouco do que sei dela:

Yemoja Asesu era uma bela mulher
Muito doce e amável
Filha de Iya Olokun.Ela se casou com Okerê que era Rei de Saki,  Saki é um reino vizinho a Oyó.

Okerê e Asesu eram muito felizes, o casamento era muito bom para os dois.
Porém ela ficou grávida e teve um filho. Este filho foi chamado Orugan com o passar dos anos ele se tornou um homem forte. Orugan era perverso, maligno ele olhava Asesu com malícia. 
Em uma ocasião em que Okerê estava ausente  Orugan tentou seduzir Asesu ela ficou horrorizada pois ela era mãe dele, ela jamais aceitaria algo assim. 

Foi então que Orugan a violentou.  

Yemoja Asesu se sentiu a pior das mulheres e seu sofrimento foi tanto que ela não aguentou  se desmanchou em lágrimas.  De tanto chorar ela se tornou um rio, Okere quando chegou tentou impedi-la de partir mas ela estava irredutível, em forma de rio ela correu em direção ao mar para se encontrar com Olokun. 

Okerê tentou impedi-la e usou de seus poderes para criar uma grande montanha afim de barrar o curso do rio, mas Yemoja Asesu fez suas águas circularem a grande pedra mostrando que a água sempre acha um caminho. Ela desaguou no mar, foi buscar consolo com a mãe. 

Okere ficou muito triste em perder a mulher amada. Yemoja Asesu ficou  extremamente desgostosa, A violência que sofreu deixou marcas profundas nela.
Asesu não queria mais voltar a superfície e foi se aprofundando cada vez mais indo para o fundo das águas. 

Ela se aprofundou tanto que em um momento ela estava a se aproximar do centro da Terra.
Quando isso aconteceu Os poderes dela se quebraram. 
Mesmo um Orisa tem limites E ela ultrapassou os que tinha,  Asesu teve que emergir  mas quando voltou ela não era  mais a mesma.
Seus poderes estavam de volta mas sua memória ficou prejudicada, ela tinha momentos de esquecimento onde não se lembrava de coisas simples. 

Foi então quando voltou a superfície que ela conheceu seu segundo marido, era ele Erinlé o Odé de Ilobú. Os dois se apaixonaram   logo tiveram filhos porém  Asesu ja não era uma mulher doce,  sofrimento que ela passou a deixou um tanto amarga. 

Erinlé não quis mais ser marido dela  pediu a separação, ela não viu problema em perder  o marido mas viu problema  em ele revelar os segredos  que ela tinha confiado, na última noite juntos ela enfeitiçou Erinlé e o fez cair e um sono pesado e cortou a lingua dele.
Quando ele acordou não conseguia falar e assim os segredos de Asesu ficaram a salvo.

Nesta obsessão por manter segredo de tudo que tinha passado,  ela passou a odiar  os seres humanos que ficassem bisbilhotando as águas.

Nesta época todas as águas eram transparentes e qualquer um
Nas margens ou praias que olhassem para a água conseguia ver o que havia no fundo. 
Ela decidiu acabar com isso  e tingiu os rios e oceanos, as águas passaram a ser azuladas ou esverdeadas para que assim ninguém pudesse olhar as coisas dela.

Depois de ter feito isso  muitos a chamaram de  "Yemoja das águas sujas".
Ela se tornou uma poderosa feiticeira e começou a rivalizar com Osun.

Osun e Asesu nunca se deram bem, Osun ostentava longos cabelos trançados e Asesu também tinha cabelos iguais, ela resolveu que não queria que ninguém tivesse cabelo como o dela, foi até a casa de Osun  com a desculpa de fazer uma visita  e Osun acreditou.  

Sem Osun perceber  Asesu a enfeitiçou  e cortou os cabelos dela  quando Osun se deu conta os cabelos estavam curto,  ela nem sabia como  aquilo tinha acontecido, por muito tempo Osun usou Um coque (Suku) para esconder isso. 

Asesu era terrível. 

Até em Sango ela pôs medo, as terras dos Egba Asesu conheceu Yewa  E ela se tornaram muito amigas, um dia Asesu resolveu aprontar e chamou Yewa para acompanha-la. Elas roubaram as favas de Osoosi.

Osoosi consultava Ifá com as favas mas elas roubaram dele sem ele perceber. 
Asesu arranjou um barco  e Yewa foi com ela navegando  pelos rios e litorais.
Elas enganavam os homens jogando as favas e exigindo altos pagamentos pelas consultas. 
Quando indagada de quem havia permitido a elas usar as favas, elas mentiram dizendo que Esu havia dado aval.

Esu logo ficou sabendo disso e não gostou,  ele caçou as duas até encontra-las e as fez devolver todo dinheiro  que haviam pego dos homens, também as fez devolver as favas 
Para Osoosi.
Esu desde então tem um pé atrás com Asesu e Yewa.

Tempos depois Asesu conheceu seu terceiro marido, Aganju Sola que era sobrinho de Sango, ela se casou com ele e viveu uma intensa paixão,  dizem que estão juntos até hoje. 

Yemoja ama patos  e tem predileção por eles em suas oferendas, toda vez que alguém lhe da um pato ela vem para contar as penas dele, eas por sua memória ser prejudicada as vezes ela perde a conta e volta ao início  e  perde novamente a conta e volta ao começo. 

Por isso se diz que esta Yemoja É muito lenta para atender pedidos Ja que esta sempre distraída.

Eepa Omi o! 



AWOYÓ



YEMANJÁ AWOYÓ é a mais velha e mais rica de todas elas.

Vive no oceano, muito distante da beira do mar.

Representa a expansão e a riqueza do mar.

Veste-se com as vestimentas mais luxuosas.

Quando YEMANJÁ AWOYÓ vai guerrear e defender seus filhos, usa vestimentas de diferentes tonalidades de azul.

Em seus passeios usa as riquezas de OLOKUN e a coroa dos ORISHÁS em sua cabeça, OSHUMARÉ o arco-íris, que simboliza a continuidade ancestral.



Maferefun YEMANJÁ todos os dias!

Omió YEMANJÁ! Ominareó!



Ifá Ni L’Órun


RAINHA MÃE, YEMANJÁ ASHABÁ TI GBE IBU OMI



RAINHA MÃE DOS ORISHÁS

YEMANJÁ descansava no fundo do mar, brincando com as conchas e os peixinhos multicolores. Sentia uma grande nostalgia pela vida na terra e sonhava com seus filhos que há tempos não via.

Logo, entre os sussurros das ondas, ouviu também os tambores BATÁ. Decidiu então enfeitar-se com seus colares e madrepérolas, com suas saias de azuis claros ou intensos como as espumas de seu querido mar. Montada em sua carruagem puxada por golfinhos, se dirigiu à terra para ir ao encontro da festa que estava em seu apogeu na beira do mar.

Ao chegar YEMANJÁ, grande entre as grandes, mulher de extraordinária beleza, ONI (Soberana) foi feito então um grande silêncio para se saudar como se merecia este Orishá a quem todos respeitavam e amavam.

Mas SHANGÓ, altivo, que havia se separado de sua mãe quando criança, sem reconhecê-la, decidiu abrir fogo e a convidou a dançar ao som dos sagrados tambores. Embriagado pela beleza da mulher, pela bebida e pelo seu êxito como dançarino e como Orishá Homem, a chamou para dançar e começou a cortejá-la.

YEMANJÁ se sente ofendida e decide dar-lhe uma lição. Com seus encantos, foi levando SHANGÓ até o mar e o convidou a ir até seu Ilé. SHANGÓ confessou que não sabia nadar e ela, rindo, lhe assegurou que nada lhe aconteceria. Adentrou então seu bote ao mar.

SHANGÓ, extasiado, empregou todos os seus encantos, mas ela se lançou ao mar e o converteu em redemoinhos, em ondas gigantescas. Tal era a sucessão de ondas que o bote virou.

SHANGÓ chama a YEMANJÁ desesperadamente e ela, erguendo-se das águas agitadas lhe disse: “Eu sou sua mãe, respeita-me!”

SHANGÓ lhe pediu perdão e mãe e filho se abraçaram, enquanto as águas voltaram ao seu nível.

OMI Ó ONI YEMANJÁ, OMINARÉU



Ifá Ni L’Órun



ASHABÁ ou AYABÁ


YEMANJÁ ASHABÁ ou AYABÁ é uma YEMANJÁ muito sábia e ainda que seja muito perigosa, está sempre disposta a fazer o bem.

É altiva e tem um ar de grande dama. 

Usa uma corrente de prata no tornozelo. 

Foi esposa de ORUNMILÁ e era muito boa adivinha. 

Isto trouxe alguns conflitos que resultou no fim dessa relação, mas IFÁ sempre acata sua palavra, já que suas previsões e medicinas sempre foram eficazes.

Seu olhar é irresistível, por isso para ouvir seus filhos e fiéis, lhes dá as costas.

Seus fios de conta são transparentes e de azul pálido claro.

YEMANJÁ ASHABÁ nasce no ODÚ OSÁ MEJI. 

Em OSÁ MEJI é onde nasce a COROA DE YEMANJÁ. 

Sua representação direta é uma ÂNCORA.

Seu nome significa “AQUELA QUE BUSCA REFÚGIO NAS ÂNCORAS”.

Representa a mulher que verdadeiramente tem fé em resolver os problemas, ignorando adversidades, seguindo a corrente até encontrar a fonte do problema e resolvê-lo.


Conhecida carinhosamente como a pequena de OSHA, é a menor, porém a mais respeitada de todas as YEMANJÁS. É a reveladora do desconhecido e a que resolve o impossível.

Além de suas ferramentas tradicionais, levam também 7 (sete) anzóis, uma sereia de prata, 3 bonequinhas de porcelana, um Ofá de OSHÓSI de prata, 7 (sete) facõezinhos de prata, uma espada pequena e 7 bolinhas de cristal.

Os ARARÁS (DJEDJE) a chamam de ITAWOLÓ.



Maferefun YEMANJÁ ASHABÁ todos os dias!

Omió YEMANJÁ! Ominareó!



Ifá Ni L’Órun



YEMANJÁ ASHABÁ



É a maior de todas as YEMANJÁS. 

É a primeira filha de OLOKUN. 

É a dona das embarcações, a que dá direção a elas.

A esta YEMANJÁ se oferece pato de maneira especial. 

Ao lado se põe uma palangana de água do mar com anil (waji).

Vive em uma ânfora tipo grega. 

Cruza-se uma corrente sobre a ânfora e ao lado dela se coloca uma corda de barco forrada de azul, verde, amarelo, vermelho e branco.

Quando o “filho” de ASHABÁ tem apuros, oferece-se um galo branco na beira do mar, onde se localiza uma ponte ou um píer. 

Pode-se oferecer pato junto com OGUN.

Sua coroa se arremata com um barco que se trava uma âncora. 

Isto é para alcançar o poder da vida, a dominação de ASHABÁ.

Seu nome completo é YEMANJÁ ASHABÁ OGÚN FASOGUN ARALOTOYÉ.

Os Ararás a chamam de EWA HUGA.


Ifá Ni L’Órun